Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Militares nunca mais!!!

Hoje bateu uma saudade do meu tempo de adolescente e jovem morador do bairro Cruzeiro Velho/Brasilia/DF. Bateu aquela saudade, lembrando do nosso enfrentamento aos soldadinhos do Exercito que faziam suas rondas no bairro, humilhando e ameaçando o morador que ousasse usar barba, estilo Marx. Todo barbudo corria o risco de levar um cassetete nas costas ou no rosto. Qualquer barbudo gerava raiva nos milicos e seus comparsas civis da Avenida Paulista ou Zona Sul do Rio. Na ditadura militar não havia liberdade. Cantava-se um patriotismo forçado nas escolas públicas. Quem ousassem fazer diferente, era torturado ou preso sem qualquer direito a defesa. Não havia contraditório ou direito a um advogado. Valia a lei dos porões, do choque elétrico e do estupro institucional. Os homens sofriam choque elétrico no pênis e as mulheres introduziam diversas ferramentas em sua vagina. Assim era os anos dourados do porrete dos militares apoiados pela classe média, parte das igrejas evangélicas e principalmente a Rede Globo. Esta foi uma das principais financiadoras do golpe contra João Goulart. Ou amava-se o Brasil na marra, ou tomava porrada dos soldadinhos ou policiais disfarçados entre os moradores, estudantes, maconheiros e pastores... A ditadura militar ficava na sombra das pessoas. O cara ficava na sua mesa de cerveja ou de discussão sobre futebol, mulher. O cara ficava só filmando sorrateiramente as pessoas. Quem falava alguma coisa contra o governo, pronto!! tava fudido e mal pago. Aliás se falasse que o arroz estava caro e que o governo deverá fazer alguma coisa!!! Ferrou. Filmava você discretamente. Lembro-me quando fui Secretário da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, a época apareceu o cabo Firmino(ex-agente e dedo duro da ditadura). Parou na entrada da Comissão e falou-me: "já te filmei no início dos anos 80." Fiquei surpreso e perguntei-lhe donde tinha me visto. Falou-me, se por acaso andava eu nas mediaçöes do Conic (Shoppincenter marginal de Brasilia). Disse-lhe que sim! Que fazia teatro na Faculdade Dulcina de Moraes. Ele descreveu toda a minha atividade de membro do diretório acadêmico. Preciso ir até a ABIN, para fazer o levantamento da minha ficha política e ideológica. Era sim que funcionava e respirava-se na ditadura. Ninguém sabia quem era amigo ou inimigo. Corria-se o risco 24 horas sem fim. Todo cuidado era pouco. Os caras não tinham dó. Metiam a baioneta altamente afiadas na sua goela ou no seu peito. Não fui ativista nato. Fui apenas um questionador. Na escola, éramos censurados. Não podia sequer questionar a aula de histórica. Muitas vezes meus pais eram chamados lá e advertidos pelo diretor(delator) dizendo-lhes que o Ruy era muito questionador e crítico. Questionador e crítico eram personagens potencialmente perigosos, rotulados de comunistas, ateus e anarquistas. Os milicos diziam que o comunismo comiam as criancinhas. Hoje no capitalismo reina-se os pedófilos que fazem parte desta engrenagem de exploração. Diziam que as terras e as propriedades seriam confiscados. No capitalismo os pobres já nascem confiscados da sua dignidade e ou seu direito a moradia. Enfim, os milicos se afirmavam apenas no espírito bélico já que seus cérebros eram apenas maquinas reprodutoras da CIA e da ideologia norteamericana. Viva a democracia! Prefiro a democracia, com toda a sua putaria e seus defeitos. Xô repugnante ordem única e imposta dos milicos e civis brasileiros lacaios do fetichismo de Miami e da CIA. Fujo da parada militar de 7 de setembro. Prefiro a Parada Gay.Mais criativa do que a fética ou morbida parada os milicos. Escapei do massacre de 31 de março e estou nos braços da democracia sem medo de ser feliz e livre!! Fui!!! Aos que morreram covardimente nos porões, lutarei para que a verdade seja desnudada dos arquivos escondidos nas casas dos generais, brigadeiros e almirantes fascistas dos anos de chumbo grosso.

Nos porões da tortura - 1

Programa de Propaganda de Dilma Rousseff - 17/8/2010 (à noite)

Programa de Propaganda de Dilma Rousseff - 17/8/2010 (à noite)